Concurso PRF: como o Cebraspe pode cobrar Direito Constitucional?

Professor Daniel Sena analisa perfil da banca organizadora

Direito Constitucional promete ser uma das principais disciplinas do concurso PRF. Mas, você sabe como essa área é cobrada pelo Cebraspe (antigo Cespe/UnB), organizadora da seleção com 500 vagas para Polícia Rodoviária Federal?

O professor Daniel Sena, do ‘Concursos com Trânsito’, fez uma análise da banca para Direito Constitucional. Ele explicou que o Cespe trabalha, geralmente, com questões interpretativas dos dispositivos constitucionais, trazendo casos concretos ou textos da Constituição.

“Só que a banca cobra de uma forma parafraseada. Então, é importante o candidato saber o texto da Constituição e também interpretar”, recomendou o especialista.

A organizadora procura abordar o Direito Constitucional de forma mais prática, ao tentar contextualizar as situações em caso concreto. Sena apontou que teoria também é cobrada.

Para o professor, as provas do concurso PRF “podem trazer uma questão de conceito, como uma teórica também”.

Em comparação com outras bancas, ele definiu o perfil de trabalho do Cebraspe como voltado para questões mais parafraseadas e que não ‘copia e cola’ o conteúdo constitucional. Segundo o especialista, a organizadora tem a recorrência de inverter a ordem do texto.

“O Cebraspe costuma pegar o texto e inverter a ordem dele. Isso que faz a grande diferença da banca diante das outras organizadoras, que costumam apenas reproduzir o texto constitucional”, detalhou Daniel Sena.

Por isso, os candidatos a policial rodoviário federal devem ficar atentos a possíveis dúvidas que as inversões do conteúdo da Constituição podem ocasionar.

Como estudar Direito Constitucional para o concurso PRF?

O professor acredita que para obter êxito no concurso para PRF é preciso, em primeiro lugar, estudar muito e ter uma boa bagagem e conhecimento sobre os assuntos cobrados nas provas.

A melhor forma de se preparar para Direito Constitucional, de acordo com Sena, é ler a Constituição.

Além disso, ele indica ter “aula com um bom professor para entender o que a Constituição diz.

E, claro fazer muito exercício”. Sobre os assuntos que os concorrentes devem ter mais atenção, o especialista não hesitou em dizer que são os direitos fundamentais.

“Os direitos fundamentais são o carro chefe de Direito Constitucional. Em quaisquer provas e editais, vão cair direitos fundamentais. Por isso, é um ponto de atenção total”, constatou.

E no dia da prova do concurso, como devo me comportar?

No momento da avaliação objetiva, a dica de Daniel Sena é começar pelas questões que tem mais familiaridade, “por aquilo que mais sabe”. Em caso de dúvida, o especialista recomendou que os concorrentes pulem a questão para não perder muito tempo com ela.

“Até porque é uma prova que vem muitas questões, média de 120. Tem que prestar muita atenção nos detalhes”.

Dica do professor: atenção a leitura! “Não dá para ler a prova de qualquer jeito. Tem que estar muito focado na hora, porque como o Cespe costuma parafrasear o texto constitucional, às vezes as pessoas não veem um detalhezinho que faz toda diferença”.

Para os candidatos que sonham com uma vaga como policial rodoviário federal, o professor Daniel Sena deixou a seguinte mensagem: “Estude com toda sua força, não desista! São 500 vagas autorizadas, mas a PRF precisa de muito mais. Então, se você se dedicar agora, estará construindo um caminho de sucesso. A mensagem mais importante para quem estuda para concurso público é não desistir até passar. Vale muito a pena”.

Direito Constitucional foi cobrado na parte básica no último concurso

No último concurso PRF para policial, realizado em 2013, a disciplina de Direito Constitucional foi cobrada na parte de Conhecimentos Básicos. Como o edital deste ano ainda não foi
publicado, a seleção anterior pode servir como norte para preparação.

As provas objetivas foram marcadas para exatos dois meses após a publicação do edital, há cinco anos. Os concorrentes tiveram que responder a 120 questões e ainda elaborar uma redação. Foram cobradas 50 questões de Conhecimentos Básicos e 70 de Conhecimentos

Específicos, distribuídas da seguinte maneira:
Conhecimentos básicos:
- Língua Portuguesa;
- Matemática;
- Noções do Direito Constitucional;
- Ética no serviço público;
- Noções de Informática.

Conhecimentos específicos:
- Direito Administrativo;
- Direito Penal;
- Direito Processual Penal;
- Legislação Especial;
- Direitos Humanos e Cidadania;
- Legislação relativa ao DPRF;
- Física aplicada à perícia de acidentes rodoviários.

Abaixo, veja o conteúdo programático que foi cobrado para Direito Constitucional:

1 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1.1 Princípios fundamentais. 2
Aplicabilidade das normas constitucionais. 2.1 Normas de eficácia plena, contida e limitada. 2.2
Normas programáticas. 3 Direitos e garantias fundamentais. 3.1 Direitos e deveres individuais
e coletivos, direitos sociais, direitos de nacionalidade, direitos políticos, partidos políticos. 4
Organização político-administrativa do Estado. 4.1 Estado federal brasileiro, União, estados,
Distrito Federal, municípios e territórios. 5 Administração pública. 5.1 Disposições gerais,
servidores públicos. 6 Poder executivo. 6.1 Atribuições e responsabilidades do presidente da
República. 7 Poder judiciário. 7.1 Disposições gerais. 7.2 Órgãos do poder judiciário. 7.2.1
Organização e competências, Conselho Nacional de Justiça. 7.2.1.1 Composição e
competências. 8 Funções essenciais à justiça. 8.1 Ministério público, advocacia pública. 8.2
Defensoria pública.


Publicado em 12/11/2018 às 19:09:20
Compartilhe com os amigos: